• Joana Alves Gomes

Plantas invasoras em Portugal

Depois de ter falado sobre árvores autóctones em Portugal decidi partilhar algumas informações sobre plantas invasoras, o que são, que problemas acarretam e o que podemos fazer para evitar a sua disseminação.


O que são espécies invasoras?

São espécies exóticas (não nativas ) que não coexistem com as espécies nativas de forma equilibrada, ou seja, adquirem comportamentos invasivos como: rápido crescimento e disseminação no espaço, invasão de ecossistemas e culturas, ameaçam o crescimento das espécies nativas e causam alterações negativas no ambiente. Todas elas acabam também por causar impactes negativos na economia tanto por prejudicarem as culturas existentes como por apresentarem características que dificultam na sua remoção.


1. Acácias: Acacia dealbata, longifolia, karroo hayne, mearnsii, melanoxylon, pycnantha, retinodes, saligna

O primeiro conjunto de espécies que apresento é um dos mais conhecidos e um dos mais agressivos, provoca a diminuição do fluxo das linhas de água, agrava a erosão do solo, provoca alterações no solo que dificultam a sobrevivências de espécies nativas e favorecem as crescimento de novas acácias.

2. Bons-dias, Ipomoea indica

Esta espécies de caracter trepador forma tapetes que cobrem grandes áreas de terreno, árvores e arbustos acabando por causar a sua "asfixia".


3. Chorão-da-praia, Carpobrotus edulis

Esta espécie tem um comportamento muito semelhante a espécies descrita anteriormente ao que se acresce o facto de causar a acidificação do solo, favorecendo a propagação da sua espécie e dificultando a propagação de espécies autóctones.


4. Figueira-da-Índia, Opuntia ficus-indica

Esta espécie além de impedir o desenvolvimento de plantas nativas nas áreas que invade, impede também a presença de animais através das suas folhas espinhosas.


5. Figueira-do-inferno, Datura stramonium

Esta espécie tem um comportamento semelhante a Ipomoea indica e ao Carpobrotus edulis, tendo a agravante de interferir com a produtividade das áreas agrícolas.


6. Lantana, Lantana camara

Esta espécie invade ecossistemas nativos, quebrando a cadeia de sucessão natural e impedindo o desenvolvimento de espécies nativas tornando-se assim uma ameaça para a diversidade.


7. Penachos, Cortaderia selloana

Esta espécie, tal como a Opuntia ficus-indica, dificulta não só o desenvolvimento das espécies herbáceas e arbustivas nativas como também a circulação de animais nas áreas que invade. Ao nível humano é causadora de alergias e as suas folhas cortantes dificultam as operações de remoção.

8. Ricino, Ricinus communis

Esta espécie reproduz-se de forma rápida, formando áreas densas impenetráveis onde não crescem espécies nativas. As sementes são muito tóxicas para humanos e cavalos.

9. Tabaqueira, Solanum mauritianum

Esta espécie, como todas as invasoras, dissemina-se muito rapidamente numa área geográfica através da semente e cresce rapidamente invadindo os habitats de espécies nativas e ameaçando o seu desenvolvimento.


O que podemos fazer para evitar a disseminação de espécies invasoras?


1. Aprender a reconhecer estas espécies;

2. Não plantar ou reproduzir estas espécies por muito bonitas que possam parecer;

3. Não colher estas espécies (para levar para casa) contribuindo para espalhar a semente por outros locais;

4. Usar o Mapa de avistamentos (https://invasoras.pt/pt/mapeamento );

5. Se for proprietário de um terreno com invasoras, estudar a forma adequada de as remover procurando ajuda municipal se necessário;

6. Participar nas ações voluntárias de remoção de invasoras;

7. Partilhar informação sobre os malefícios das espécies invasoras com amigos e conhecidos.



Já conhecia estas espécies ?



Para conhecer mais sobre espécies autóctones leia este artigo:

https://www.jagarquiteturapaisagista.com/single-post/Arvores-autoctones-em-portugal


Para saber mais sobre espécies invasoras visite o site:

https://invasoras.pt/pt


Posts Em Destaque